quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Carta a Maria…



Qualquer dia vou ter consigo
Pois faz tempo me contradigo
Buscaremos o bacalhau no “Leite”
Passearemos por jardim e parque
Para nosso extravagante deleite
Pois não quero que me remarque
Como extravagante, snob e loco
Beberei exuberante... água de coco
Sentados na areia quente, sentiremos o calor
Veremos o pôr-do-sol se escondendo no mar
A luz do prateado luar que me irá mostrar
Por essa ria encantada da vivência em seu morar
Me mostra então encantos
De praias, ruas, avenidas e recantos
Da sua cidade de carnavais, tão linda.
Quero também andar na BR-101
Conhecer outras cidades e Olinda
Quero absorver tudo e não ser mais um,
Saber das areias onde coqueiros por momentos
Se espreguiçam nas indolências dos ventos
Ver as praias onde as espumas espraiadas,
Por belas e quentes ondas são levadas

Me leva a cadeira de esplanada
Para gentes ver, estar e conversar
Como coisa bela, encantada
Cimentar a linda amizade criada.

Se você quer...

Será grande a emoção de estar consigo,
Num momento, dar abraço de amigo
Nesta oportunidade que almejo
Com toda a alegria dar… rechonchudo bejo.

As amizades, não são coisas fortuitas, mas sim uma consequência do nosso viver…

03/12/2009
Karl d’Jo Menestrel

2 comentários:

paula barros disse...

Me chamo Maria
E moro na terra do Galo da Madrugada
Ando por essas bandas a esperar
Um amigo português e família
Que ficou de por cá atracar


Já estou tomando conta
Que esta carta é para mim
E que promessa falada
Por mim era esperada
Imagine agora
Um carta escrita e publicada

Meu coração não sabe
Se pula o frevo ou dance o fado
Só para o português agradar
Pois ele, o coração, está aqui a saltitar
E os olhos a marejar

O mês de dezembro chegou
E vou ter de me contentar
Em ler belos poemas
E agora uma carta
Porque não será nesse mês
Que o portuga vai chegar

Feito criança estou
Só mesmo a imaginar e sonhar
No dia que essa família
Que aprendi a amar
Por aqui vai desembarcar

Farei o possível e o impossível
Para junto passear
Mostrando tudo de belo
Num encontro muito prazeroso
Que tenho certeza será

Oh! amigo, não demora
Já se passou um ano
Que me deixou a esperar

Diz a Rosa e as florzinhas
Que a amiga nordestina
Desse Brasil imenso
Vive por aqui a sonhar
Com o dia que vocês vão chegar



Um forte abraço!

tossan® disse...

EM OLINDA NÃO EXISTE PECADO

Em Olinda passa-se o tempo
repechando pelas ladeiras
Em Olinda passa-se o tempo
repensando besteiras
a arte de transformar sapo-rei
a alquimia da noite saturnina
a calcinação de cinzas em cocaína
as cinzas que ficam no fim dos túmulos
Em Olinda não há pecado
Em Olinda há dezoito bicas
no Varadouro
para lavar a alma
lavar o corpo
Em Olinda passa-se o tempo
batendo nas portas das casas e capelas
pedindo reza
pedindo festa
Festa de igreja
festa de santo
festa de rua
É carnaval nos Quatro Cantos

talis andrade/ ensor

Gostei muito do blog...Vim através do amigo Jardineiro. Abraço