domingo, 15 de novembro de 2009

Momento




A fragrância da pele me aturde,
Os interstícios do teu corpo se dilatam,
Exalando o calor que me atordoa,
Jogo tudo na fluidez da vida.
Me arco num momento
Enquanto num abraço de um só,
Concebemos um ápice distorcido

Respiramos a frescura do ar,
A frescura da relva que nos rodeia,
Sentimos a árvore que nos sombreia,
Nos miramos nos olhos
Sorrimos,
A felicidade nos invade

Te levantas, te compões
Caminhas pelo carreiro, te afastas
No horizonte, paras… me acenas
Te despedes, me envolves com teu olhar
A luz do teu sorriso me ilumina

Pergunto ao vento que rodeia,
Quando voltaremos a sonhar.

15/11/2009
Karl d’Jo Menestrel

1 comentários:

paula barros disse...

Que bom esse momento, de sonho, de encontro, de calor e de sorrisos.

O poema é todo lindo, porém sempre tem algo que me invade no momento da leitura.
"Nos miramos nos olhos
Sorrimos,
A felicidade nos invade"

Momentos assim é onde a realidade vira um eterno sonhar.

Belíssimo!!!