terça-feira, 24 de novembro de 2009

Qualquer dia



Sempre existe um dia para tudo
Não fazemos hoje, fazemos amanhã
Se amanhã não fazemos, um dia o faremos
Mas o dia chegará e o fazemos
Tocamos, no que não queremos
Criamos ilusões que já não temos
Se ilumina o presente, em vela apagada
Porque vemos o que não vemos
Numa infeliz contradição
Queremos o que não podemos
Nos julgamos, errando na fantasia
Do mote dado, na razão errada.
Buscamos almejar na cercania
A outra parcela que foi já dada.

Se transforma a mente em sinergia
Nos iludem palavras dadas,
Indo de mente pra mente a energia
Nas ideias já tão caladas.

Mas um dia, num qualquer dia,
O faremos.

24/11/2009
Karl d’Jo Menestrel

1 comentários:

paula barros disse...

Nossa fantasia, muitas vezes nos confunde.

Seria muito bom que alguns momentos que imaginamos, sonhamos, pensamos, idealizamos, pudesse ser vivido, ser experimentado.

com carinho, abraços.