segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Marujo da Alma


Respondendo ao Comentário de Paula Barros em Brocados d’Alma

Ao escrever, me liberto de um todo e não de uma parte,
O tempo passa, me relaxa numa agradável sensação.
Crio e recrio, fantasias, quimeras e sonhos.
Me revivo no que escrevo, me arrumo na emoção
Me coloco no impossível, imponderável,
Inalcançável, em meu mundo de ilusão
Navego ao sabor da escrita, qual marujo emocionado,
Ouvindo sereia cantar no meu imaginável mar
Brota escrita, palavras, enredos em lunática paixão
A Sinto a entendo como fosse real, a fuga dum sentimento.
A Alforria do pensar assim a ganho da opinada razão.


18/01/2010
Karl d’Jo Menestrel 

2 comentários:

paula barros disse...

1º Olha o título! Esse rapaz promete muito, poesias e títulos maravilhosos.

2ºPercebo que já estamos no livro dois. Navegando por um mundo de poemas de imensa beleza.

3º Quando dois poemas conversam, são duas almas dialogando.

4º O que dizer? rsrs
Você "navega ao sabor da escrita", mas também, pilota, dirigi, cavalga, comanda, manda, desmanda, pinta e borda com as palavras....e claro escreve super maravilhosamente bem.

Adorei!

beijo

tossan disse...

Muito aprazível, suave e fascinante este texto poético e lírico. Abraço